Goju Ryu

Goju-ryu (剛柔流? É um estilo de karatê  desenvolvido por Chojun Miyagi, originário de Okinaw , que é considerado a principal linhagem directamente descendente do estilos Shorei-ryu  e, antes deste, do Naha-te. O estilo conjuga técnicas duras, rígidas com formas suaves. Daí seu nome go (剛, duro), ju (柔, suave), ryu (流, ryū, fluxo, escola), ou seja, estilo de fluxo forte e suave. A marioria das técnicas de sensei Miyagi foram-lhe ensinados pelo mestre Kanryo Higashionna, do tradicional estilo Naha-te.

 

O estilo foi fundado oficialmente no ano de 1933 pelo mestre Chojun Miyagi. O mestre nasceu em 25 de abril de 1888, na cidade de Naha, na principal ilha do arquipélado de Ryukyu, tendo vindo a falecer em Outubro de 1953. O seu instrutor foi o outro grande mestre Kanryo Higashionna (também chamado Higaonna), o fundador do Naha-te.2

Kanryo Higaonna

Kanryo Higashionna nasceu a 10 de Março de 1853, tendo falecido em 1915, aos 63 anos. Fazia parte da baixa nobreza. Ele queria viajar para a China a fim de estudar, mas não tinha dinheiro para a viagem, quem o ajudou foi um proprietário de navio mercante. Assim, em 1868, quando ainda jovem, foi para Fuzhou ou Foochow que é a capital da província de Fukien ou Fujian, na China. Lá, foi discípulo de um mestre Chinês chamado Woo (“Ru”, em japonês), ou Ryu Ryu Ko, o qual o levou consigo por inúmeras escolas de Boxe Chinês, treinou o estilo chamado Pak Hok Pai (estilo Garça Branca ou Grou Branco). Kanryo Higaonna Sensei havia passado de 13 a 16 anos (o período varia de acordo com a fonte de consulta) na China treinando com Ryu Ryu Ko. Após o seu regresso ao lar, homenageou o proprietário do navio, Yoshimura, e começou a ensinar seus filhos a arte que ele tinha aprendido. Com a propagação da fama de suas grandes habilidades, ele passou a ensinar os membros da família real. Mais tarde, ele abriu seu próprio dojo.

Kanryo Higaonna tornou-se especialmente conhecido por sua incrível velocidade, força e poder. Sua arte tornou-se conhecida como Naha-te. Após a sua morte, o seu sucessor foi o Sensei Chojun Myiagi. Por volta do ano 1899, quando contava onze anos de idade, Chojun Miyagi foi treinar artes marciais com Ryuko Aragaki, cuja lições se concentraram em desenvolver o físico por meio do treinamento (hojo undo) com equipamentos como pesos de pedra (chishi), jarros de barro (nigiri-game) e makiwara.

Em 1901, o aluno Miyagi foi apresentado ao mestre Kanryo Higashionna, quando aprende todos os kata do estilo. Neste aspecto Miyagi diferencia-se de Higaonna, porque, para este último, um carateca deveria concentrar-se num único kata por anos a fio, até conhecê-lo profundamente, mas Miyagi demonstra ser possível aprender todos os aspectos do Naha-te. Contudo, com Miyagi, o treinamento é estremanente árduo e é dado especial foco no kata Sanchin.3

Por influência de seu mestre e na companhia de seus amigos Yoshikawa e Wu Xian Hui (mestre chinês de Pak Hok Pai que passou a viver em Oquinaua, compartilhando seus conhecimentos marciais com renomados mestres de caratê no começo do século XX), Chojun Miyagi faz sua primeira viagem até a China, o que veio a influenciar diretamente o estilo, fato que é visto em alguns kata. Ficou lá por quatro anos, seguindo os passos do seu mestre, quando treinou os estilos Pa Kua Chang e Shaolin Chuan, estilos suaves e internos que além de aprimorarem o físico, prezam muito pelo desenvolvimento emocional e espiritual. Quando à terra natal, baseou-se no princípio de yin e yang (as energias negativa e positiva que regem o universo) e uniu a flexibilidade das artes internas chinesas à rigidez do tradicional estilo Naha-te, criando assim o Goju-ryu.4 Porém, as bases do estilo já haviam sido estabelecidas pelo mestre Kanrio Higaonna, discípulo do mestre Chinês Woo (“Ru”, em japonês), ou Ryu Ryu Ko.

 

Excelente complemento fisico e espiritual, os treinos de karaté na MAFC ajudam-me a abstrair das preocupações e a descomprimir o stress do dia a dia. As aulas são muito bem conseguidas pelos instrutores com muito bom equilibrio entre desenvolvimento fisico e tecnico conciliados com muita paciência, respeito mútuo e bom humor.
João Miguel Antunes